Rss

O Despertar Tântrico

tantra sexo tântrico

O casal tântrico Shiva e Shakti

A palavra Tantra gera um fenômeno curioso. Quase todos já ouviram falar nesse termo, mas raras são as pessoas que conseguem defini-lo. Para intensificar essa confusão, há ainda um agravante. Por se tratar de um tema relacionado à sexualidade, o Tantra sofre com o preconceito, tornando essa prática quase que um tabu para muita gente.

Sob esse contexto de desconhecimento, a prática do Tantra ganhou diversas roupagens e, infelizmente, muitas distorções. Há quem ofereça serviços diversos ou supostas iniciações usando a palavra Tantra como mera ferramenta de marketing, já que ela imediatamente remete a idéia de êxtase sexual. Só que na maior parte das vezes, essas atividades estão muito longe do que o Tantra realmente significa e do que os povos tântricos da antiguidade praticavam.

Mas, afinal, o que é Tantra? A palavra Tantra deriva de um conjunto de escrituras encontradas na região da Cordilheira do Himalaya. Os primeiros registros de técnicas tântricas – também conhecidas como Magia Sexual no ocidente – são anteriores a 3 mil a.C.  E do que tratam esses textos? O Tantra une filosofia e estudos avançados de anatomia em um sistema de práticas meditativas, rituais e, sobretudo, corporais. E nesse sistema de práticas, o tema da sexualidade é tratado abertamente, com técnicas que efetivamente aprimoram a experiência de prazer durante o ato sexual.

A combinação desses elementos filosóficos com as técnicas corporais produz o que os tântricos chamam de “estados alterados de consciência”, que constituem uma importante ferramenta para ampliar a nossa autoconsciência. Assim, o que o Tantra visa ao estimular o sexo mais prazeroso significa, em última instância, uma relação mais saudável de cada indivíduo com sua própria sexualidade, no mais amplo sentido dessa palavra.

Entretanto, muitas pessoas ainda se questionam se seria possível incorporar essas práticas tântricas tão antigas às rotinas que temos em nosso mundo contemporâneo. E a resposta é SIM, qualquer pessoa pode praticar tantra, independente de suas crenças, preferências sexuais ou status de relacionamento. Apesar de algumas religiões orientais terem incorporado elementos tântricos, o Tantra em si é uma prática essencialmente e primordialmente pagã – ou seja, ele não está relacionado a nenhuma religião ou crença específica – e, uma vez conhecidas as suas bases anatômicas e filosóficas, é possível adaptá-lo às preferências de cada um.

E isso tudo se torna ainda mais importante quando abordamos a sexualidade feminina. No Tantra, a mulher é chamada de Shakti e tem papel fundamental nas práticas tântricas. A Shakti é consciente da importância do prazer no ato sexual, tem domínio do próprio corpo e, a partir daí, é a iniciadora tântrica do homem. Assim, ao estudar o Tantra, tomamos contato com um conhecimento milenar que é anterior a uma era que reprimiu a sexualidade feminina e que, felizmente, começa dar sinais de mudança.

Assim, vemos que o Tantra nunca esteve tão atual. E por que não tirar proveito do conhecimento e das técnicas utilizadas pelos nossos antepassados para vivermos uma sexualidade plena e livre de amarras? Está ao alcance de todos nós!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *