Rss

Sexo Tântrico: muito além da vulgar “massagem tântrica”

Basta pronunciarmos a palavra “Tantra” no ocidente para imediatamente vermos pessoas se dividindo em dois grupos radicalmente distintos. De um lado, praticantes de yoga e seguidores de vertentes esotéricas que exploram, de forma exclusivamente meditativa e filosófica, ensinamentos presentes nas escrituras que são a origem de todas as vertentes tântricas. Para estes, muitas vezes, a exploração de técnicas sexuais é revestida de diversos tabus, apesar do sexo ser parte inerente ao Tantra desde a sua fundação.

Por sua vez, podemos observar uma outra ala radicalmente oposta. É o grupo daqueles que, utilizando a fórmula consagrada na publicidade de que sexo vende qualquer coisa, criaram uma série de serviços sexuais empacotados em nomes bem comercais. Assim nasceram termos como “massagem tântrica”, “terapia tântrica” e um sem numero de serviços prestados por terceiros que entram na intimidade das pessoas quase como que masturbadores profissionais. Tais práticas muito pouco ou quase nada mantém da essência do Tantra. Aliás, diga-se de passagem que o termo “massagem tântrica” é um neologismo. Tântricos estão muito longe de serem meros e vulgares “massagistas”, até porque o que se vende em sessões de “massagem tântrica” não chega a 5% do que o Tantra oferece.

O Tantra explora os cinco sentidos e envolve diversas técnicas corporais

O Tantra explora os cinco sentidos e envolve diversas técnicas corporais

Mas então, o que seria o Tantra? E como praticá-lo? Bem, a resposta para resgatar o Tantra e todos os seus benefícios une um pouco do que pregam os dois grupos mencionados acima, mas com uma abordagem bem diferente. Sim, o Tantra é filosófico e é esotérico. E conhecer essas bases fará com que o aspirante possa entender os mecanismos das técnicas que aprimoram o prazer para incorporá-las na sua intimidade, sem fórmulas prontas e de acordo com as suas preferências.  Mas para isso, será necessário admitir que o Tantra é também a exploração do sexo e da sexualidade como meio para experimentação de estados alterados de consciência, o que inclui técnicas meditativas, mas não se resume a isso.

Ao praticar o Tantra, o aspirante deve quebrar tabus em relação a temas como masturbação e o toque erótico em diversas partes do corpo. Mas é também importante ter em mente que essa estimulação é apenas uma ínfima parte do que o Tantra oferece, especialmente se for aplicada por terceiros. Aliás, cabe ressaltar que ao contratar alguém para que estimule o seu corpo, o aspirante está na realidade caminhando no sentido oposto ao Tantra. Afinal, por que delegar a exploração do sexo e da sexualidade a um prestador de serviços?  Seria então o estudo pessoal da anatomia e das técnicas tântricas para aplicação na própria intimidade mais um tabu?

Questione, duvide, busque informação. E não caia na besteira de resumir o Tantra a uma mera “massagem”. Pense que o caminho tântrico envolve explorar tantricamente um imenso universo que inclui fantasias sexuais diversas, fetiches, sexo oral, sexo anal e tudo mais que a sua imaginação permitir. E o melhor: sem a contratação de terceiros e com a base de técnicas consagradas e milenares. Afinal, no Tantra, assim como em qualquer coisa na vida, tudo começa com o  conhecimento!

Namastê!

Comments (2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *