Rss

Artigo: “O Conceito de Deus no Tantra”, no jornal O Legado

O conceito de Deus é algo complexo e muito individualizado, mas para os adeptos do Vama Marga Tantra, o Caminho da Mão Esquerda do Tantra, há tópicos sobre esse assunto que são essenciais ao entendimento dessa corrente de pensamento filosófico e místico. Com suas técnicas esotéricas que o conectam com o ocultismo, o Tantra precisa ser também entendido a partir dessa perspectiva. Esse foi o tema do meu artigo publicado no mês de novembro no jornal holístico O Legado. Leia abaixo o artigo na íntegra:

O Conceito de Deus no Tantra

Tantra não é religião, não possui dogmas e tampouco regras rígidas sobre como o conceito de divindade deve ser encarado. Mas uma coisa é certa: a maneira como o conceito de divino é explorado define a vertente tântrica a ser desbravada, especialmente no que tange a sexualidade. Apesar de muita gente ainda associar o Tantra estritamente às suas técnicas sexuais, a identificação filosófica é que define a forma como a sexualidade é vivenciada e não o contrário.

 

Isso porque as duas grandes vertentes do Tantra – o Dakshina Marga, chamado Caminho da Mão Direita, e o Vama Marga, o caminho da Mão Esquerda – diferem radicalmente sobre a origem e o tratamento ao conceito de divindade. Enquanto que o primeiro busca elevar as virtudes humanas a ponto de fundir o ser humano a uma ideia de divindade que estaria em planos superiores, o segundo busca o divino dentro de cada ser humano em um processo de autodeificação. E daí é que advém o uso da sexualidade para expansão da consciência na via sinistra do Tantra.

 

A partir desse conceito é que podemos entender, de fato, o que significam as técnicas para administração do orgasmo. Enquanto que o Dakshina Marga busca a contenção do prazer, o Vama Marga busca a sua exaltação. E isso se dá, entre outros motivos, porque de acordo com o Dakshina Marga, a busca desenfreada pelo prazer seria a fonte de todas as frustrações humanas, afastando o indivíduo do acesso às formas divinas. Segundo essa via destra, o sexo sem orgasmo seria a mais suprema expressão da compaixão e do amor sem desejo, algo almejado pelos praticantes que buscam a união a uma suposta força divina com origem externa à consciência do adepto.

 

Na direção oposta, o Caminho da Mão Esquerda visa a autodeificação, enaltecendo o orgasmo como a suprema expressão dos desejáveis “estados alterados de consciência”. Assim, as práticas tântricas do Vama Marga não são utilizadas para buscar qualquer divindade externa à consciência do praticante. Ao contrário, os deuses são manifestações do inconsciente e, assim, manifestam-se no plano material de forma a modificarem a realidade de acordo com a Verdadeira Vontade do Indivíduo.

 

Em suma, o que podemos comprovar na prática é que o Dakshina Marga e Vama Marga atuam em direções opostas na vida do ser tântrico. Entender esse conceito central no Tantra é a chave para trilhar um caminho de expansão da consciência sem distorções. Esse é um ponto crucial que, aliás, foi absolutamente ignorado por seguidores do Neotantra, a versão revisitada do Tantra que é para lá de equivocada. Neste último, as bases filosóficas tântricas são reinterpretadas em uma versão própria que não se posiciona em nenhuma das duas grandes vertentes do Tantra da Antiguidade.

 

E, se a busca de estados alterados de consciência por meio do Maithuna, o ato sexual tântrico, é uma exclusividade do Vama Marga ou do Caminho da Mão Esquerda, aqui deve ser também incluído o conceito de antinomianismo, o que significa a mais completa quebra de tabus pessoais e sociais. E aqui podemos ver que o Tantra, mais do que uma coletânea de técnicas sexuais é, sobretudo, um caminho filosófico complexo, cujos meandros não podem se resumir a uma mera prestação de serviços supostamente terapêuticos como propõe o Neotantra com suas “massagens”.

 

Viver o Tantra no dia-a-dia e na intimidade de cada indivíduo é o que se propõe com o Vama Marga. A via sinistra é essencialmente experiencial e pressupõe uma busca individual. Esse esforço, aliás, é parte do processo de autodescoberta e de exploração das potencialidades psíquicas individuais. Portanto, esqueça a terceirização e a contratação de prestadores de serviços supostamente tântricos, pois não há meio de expandir a consciência que não parta do esforço pessoal e da disciplina acadêmica.

 

Tornar-se divino, como visa o Vama Marga Tantra, com o uso da sexualidade requer dedicação. Claro que o prazer é enaltecido com finalidades místicas. Entretanto, é vital lembrar que o sexo é o meio e não o fim. Pois o encontro com a própria divindade não pode – e nem deve – ser encarado como mera busca desesperada por sensações imediatas: ele é o passaporte divino para a eternidade.

 

Para visitar a site do O Legado, basta clicar aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *