Rss

Qual o melhor baralho ou deck de Tarô?

Curso de Formação em Tarô tarólogo taróloga oraculo leitura de cartas

Para quem quer interpretar as cartas do Tarô e, assim, tornar-se tarólogo, o mercado oferece baralhos ou decks de todos os tipos. Dos mais tradicionais, como o Marselha, aos inspirados nas histórias em quadrinhos, o tarólogo pode encontrar as mais diversas opções de conjunto de cartas. Diante de tanta variedade, fica a dúvida: qual o melhor baralho ou deck?

A verdade é que não há uma resposta pronta a essa pergunta. A escolha do baralho é uma das decisões mais pessoais do tarólogo. Há, inclusive, aqueles que optam por utilizar diferentes decks, colecionando baralhos. Mas há alguns itens a se considerar na hora de eleger o seu deck, pois a escolha das cartas pode influenciar significativamente na assertividade das previsões.

Em primeiro lugar, a simbologia do deck precisa estar alinhada às mais profundas crenças e visões pessoais do tarólogo. Não adianta usar um tarô com orixás ou anjos, por exemplo, se você não está familiarizado com esses sistemas. A arte e a estética também são importantes: as cartas precisam dialogar com a percepção sutil de quem vai interpretá-las. Se o deck apresentar palavras-chave nas cartas, é importante também estar atento a esse detalhe, pois às vezes uma palavra mal colocada pode confundir a interpretação.

Por isso, conhecer e pesquisar um pouco da história e dos autores de cada deck é tão importante. De qualquer forma, como orientação geral, parta de um princípio básico: se você é um adepto dos estudos Herméticos, descarte imediatamente decks que tragam alterações na estrutura geral do Tarô (22 Arcanos Maiores e 56 Menores), pois é a partir dessa base que podemos traçar as correspondências com a Cabala Hermética. Também desconsidere aqueles que só trazem Arcanos Maiores, já que ignorar os Arcanos Menores significa limitar o seu universo como oraculista.

De qualquer forma, para começar, escolher uma opção entre os decks mais populares e utilizados é uma decisão sábia. Estes carregam a credibilidade de anos de uso por tarólogos ao redor do mundo. Afinal, se até os artistas começam com a arte figurativa para depois buscar a abstração, adotar uma postura mais tradicional nas artes divinatórias, em um primeiro momento, talvez seja de grande ajuda. Por fim, há sempre aquela dica que transcende o racional: escolha um deck pelo qual você se apaixone! O amor ainda é a melhor receita para transformar qualquer ofício em arte.

Quer estudar Tarô? Veja informações sobre o meu Curso de Formação neste link aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *