Para além dos signos e planetas:
Saiba como as Estrelas Fixas influenciam o seu Mapa Astral

A análise das estrelas e constelações adiciona elementos únicos à interpretação astrológica, aumentando ainda mais a precisão das previsões

Na história da Astrologia, o estudo das Estrelas Fixas é tão antigo e importante quanto o conceito de signos zodiacais e a identificação dos movimentos dos planetas. Entretanto, sua utilização na análise de Mapas Astrais foi gradualmente suprimida. Hoje, são poucos os astrólogos que incluem as Estrelas Fixas em seus cálculos. Porém, elas são fundamentais: sua manifestação simbólica na vida das pessoas se dá de maneira quase literal.

Parte desse processo de simplificação pelo qual as práticas astrológicas passaram ao longo do tempo – e que fez com que muitos astrólogos passassem a negligenciar as Estrelas Fixas – se dá por novos desafios que surgiram para o cálculo astrológico com o passar do tempo. Por conta do fenômeno astronômico conhecido como Precessão Axial ou Precessão dos Equinócios, que faz com que haja um deslocamento das estrelas nos graus dos signos do zodíaco, hoje temos uma significativa diferença entre o lugar ocupado no céu por signos e constelações do mesmo nome. Tomemos como exemplo Regulus, a estrela Alfa da Constelação de Leão: ela marca o coração do felino que deu nome ao signo de Leão, mas atualmente, no zodíaco, ocupa os primeiros graus do signo de Virgem.

Mas isso não invalidou e tampouco minimizou a influência astrológica das Estrelas Fixas. Ao contrário, fez com que passássemos a ignorar aspectos da nossa conexão com o cosmos e, consequentemente, da nossa psique que são fundamentais para a consciência humana. O que a experiência mostra é que, quando uma estrela marca pontos importantes do Mapa Astral, ela tem efeitos muito notáveis, levando seu simbolismo para determinar tópicos como talentos pessoais, carreira, relacionamentos e projetos de vida.

Métodos:

Na Astrologia Ocidental, há dois principais métodos para a análise das Estrelas Fixas. O primeiro, chamado de Método Original, reconstrói narrativas míticas a partir da análise de estrelas que nascem, culminam ou se põem no mesmo momento que planetas e ângulos do Mapa Astral. Essa técnica recebe o nome de “paranatellonta” que, em grego, significa “que ocorrem conjuntamente”. No século IV d.C, escritos deixados por um astrólogo identificado como “Anônimo 379” descreveram essa técnica, popularizada posteriormente como “Método dos parans”. Com ele, obtém-se a lista de estrelas que formaram parans com planetas e ângulos do mapa ao longo das 24 horas do dia de nascimento da pessoa.        

O segundo método para interpretação e análise das Estrelas Fixas foi descrito e documentado pelo famoso astrônomo, astrólogo e matemático Cláudio Ptolomeu, na Grécia Antiga, recebendo o nome de Método Longitudinal ou Método Ptolomaico. Por meio da posição exata das estrelas e da projeção da sua longitude nos graus da eclíptica, encontram-se as localizações de cada uma delas nos signos do zodíaco. Dessa maneira, identificam-se as estrelas que influenciam o Mapa Astral da pessoa, de maneira bastante personalizada, pois são consideradas somente as estrelas que estão em conjunção exata ou a poucos graus de distância de planetas pessoais, Ascendente, Meio do Céu ou pontos como Nodo Norte e Parte da Fortuna.

Ambos os métodos são válidos e até complementares, porém o Método Original gera um relatório à parte do gráfico do Mapa Astral, tendo também como desvantagens o fato de considerar as mesmas estrelas ascendendo e culminando para todas as pessoas nascidas no mesmo dia e cidade e ainda não poder ser aplicado para previsões em períodos específicos, pois delimita a influencia das estrelas a grandes fases da vida. Por sua vez, o Método Longitudinal é inteiramente analisado em conjunto com o Mapa Astral inclusive, para as previsões periódicas –, já que localiza as estrelas ao longo dos graus dos signos, mesmo que estejam em constelações distantes da faixa do zodíaco, dando espaço também para que a influência astrológica de cada estrela seja avaliada em função de sua declinação e magnitude. Esse é um grande diferencial do método de Ptolomeu. Por meio dele, percebe-se, por exemplo, que uma estrela não fica por mais de 16 minutos em conjunção ao Ascendente ou ao Meio do Céu de um Mapa Astral, evidenciando como cada indivíduo é realmente único em sua conexão com o cosmos. 

Astróloga, taróloga, psicanalista e terapeuta holística, Virginia Gaia também ministra cursos e palestras para audiências variadas. Com presença constante como especialista em diversos meios de comunicação, é colaboradora fixa de conteúdo na Rede Brasil de Televisão (Programa A Tarde É Show, com Nani Venâncio), Rádio Tropical FM 107,9 (Programa De Tudo um Pouco, com Amir Neto), Rede VTV (afiliada do SBT no litoral e interior de São Paulo) e revista Todateen (Editora Caras). Estudiosa das ciências herméticas, do ocultismo, de religião e mitologia comparada há mais de 20 anos, Virginia é também sexóloga profissional e, em sua abordagem terapêutica, une conceitos das áreas de desenvolvimento da espiritualidade, da afetividade e da sexualidade para estimular o estabelecimento e a manutenção de relacionamentos melhores.

Faça seu Mapa Astral com a astróloga Virginia Gaia!

Mapa Astral: Autoconhecimento + Previsões para o período de 01 ano
(Mapa Natal + Trânsitos + Progressões + Revolução Solar)

PARCELE EM ATÉ 6X SEM JUROS!

Contato

Atendimentos presenciais ou online via chamada de áudio ou vídeo, sempre com hora marcada.
Agende seu horário:

Siga-me:

Assine a nossa Newsletter

© 2020 Virginia Gaia. Desenvolvido por Ufa!Design

WhatsApp chat